TDAH: o que é, sintomas e tratamento

0
7

[ad_1]

TDAH; menino; pulando; brincando (Foto: Shutterstock)

 

Você já deve ter ouvido sobre ele: o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (ou simplesmente TDAH) é bastante conhecido pelas famílias – e pela ciência também! Há anos, ele vem sendo muito estudado pela psiquiatria e psicologia. Mais de 29 mil pesquisas já foram feitas sobre o assunto. A seguir, confira perguntas e respostas. 

O que é TDAH?
É um transtorno neurobiológico do desenvolvimento que leva à impulsividade, hiperatividade e falta de atenção. Todos os seres humanos presentam algum desses sintomas, mas em certas pessoas eles se combinam e se manifestam com tanta intensidade e frequência que atrapalham o desenvolvimento, prejudicam as atividades do dia a dia e levam a prejuízos nos âmbitos familiar, escolar e social – é aí que se identifica o TDAH. As crianças com esse transtorno têm menos atividade elétrica e reagem menos a certos estímulos, além de terem partes do cérebro menores que o normal. Também têm dificuldade de regular dopamina e norepinefrina, substâncias essenciais para a concentração e o controle de impulsos.

Como é feito o diagnóstico?
O diagnóstico é inteiramente clínico, com parâmetros bem estabelecidos, feito com base nos sintomas, isto é, sem exames laboratoriais. Não é necessário realizar ressonância, eletroencefalograma ou qualquer outro exame que avalie características físicas. Além do psiquiatra, outros profissionais, como psicólogos, pediatras e neurologistas especializados na doença, também podem auxiliar no processo de diagnóstico. As manifestações clínicas costuma começar antes dos 7 anos, mas se confundem com a agitação e a insubordinação compatíveis com a idade pré-escolar. A maioria das crianças abandona essas características quando cresce e é por esse motivo que o diagnóstico não pode ser fechado antes disso.

Como é o tratamento?
Casos leves de desatenção ou hiperatividade não são classificados como TDAH. Quando há um diagnóstico fechado os medicamentos de uso controlado são necessários. Se os remédios forem tomados corretamente, conforme prescrito pelo médico, raramente se associam à dependência. O tratamento pode ser interrompido rapidamente, sem problemas. Como o TDAH é uma doença que em geral se estabiliza com a chegada à idade adulta, a pessoa para de tomar remédios na grande maioria dos casos.

FONTES: Egeu Bosse, neuropediatra da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo; e Paulo Mattos, psiquiatra e um dos fundadores da Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA).

Rodapé Instagram OK (Foto: Crescer/ Editora Globo)

 

saiba mais

  • TDAH: por que ele atinge mais os meninos?
  • Amamentar pode diminuir o risco de TDAH em crianças

 

[ad_2]

Source link

SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here